27 julho, 2007

Dever cívico (actualizada)



Hoje recebi um e-mail hoje dos tais de apelam ao sentimento das pessoas.
Infelizmente e já estando a desconfiar resolvi enviar um e-mail a um dos serviços mencionados a perguntar se efectivamente havia algo naquele sentido.
Passo a transcrever a resposta e depois coloco também o conteúdo do e-mail que anda a circular. Isto para ajudar a que não usem as pessoas e instituições de respeito para fins menos próprios.

"Caro Xxxxxxx Zzzzzzz,



Efectivamente, desconhecemos este tipo de situação, pois não está padronizado um tipo de actuação para pessoas a contactar em caso de emergência. Essa tarefa cabe, inclusivamente, às autoridades policiais (PSP e GNR) e não aos serviços de emergência médica pré-hospitalar (bombeiros, Cruz Vermelha ou INEM).



Assim sendo, esta iniciativa não partiu do INEM, nem tem o aval desta Instituição.



Melhores cumprimentos,



Pedro Coelho dos Santos

Director do Gabinete de Comunicação e Imagem

Instituto Nacional de Emergência Médica"


Agora o que anda a circular.

"Os bombeiros e o INEM deram-se conta que muitas vezes, nos acidentes
rodoviários, os feridos trazem consigo um telemóvel. No entanto, na hora
de intervirem, não se sabe a quem contactar da lista interminável de
números.

Lançam-nos por isso a ideia de que toda a gente acrescente na sua agenda o
telefone da pessoa à qual contactar em caso de urgência sob o mesmo nome.
O nome internacional é ICE (= In Case of emergency). Com este número
inscreveremos a pessoa com a qual deverão contactar os bombeiros,
polícias, INEM, protecção civil…

Quando houver várias opções poderemos assinalá-las como ICE1, ICE2,ICE3,
etc.

É simples, não custa nada e pode ajudar-nos muito! Se vos parece uma boa
ideia, passem esta mensagem ao maior número de pessoas."





Também respondi a quem me tinha enviado a informar a situação e a solicitar que voltasse a enviar e-mail a quem tinha erradamente transmitido. No sentido de corrigir a situação.


Actualização: Já se encontra no site do INEM esclarecimento a este respeito.

3 comentários:

ABA disse...

Caro kinkas,
Não tive o seu cuidado, porque a informação foi-me prestada por um agente da PSP... :)

De qualquer modo, embora a ideia não esteja institucionalizada... devia!

António Almeida

kincas disse...

O "problema" é que este procedimento poderá ser usado para outros fins.
Pode uma pessoa com outras intenções ficar a saber quem é a pessoa "mais importante" para o dono do telemóvel.

Mancholas disse...

Obrigada Kincas pela informação.Vou já por este desmentido no meu blog.